Página 1 de 18
1 2 3 18
República – Platão e platonismo

Tag: República

  • komodia

    κωμῳδία O mesmo sucede com aquilo que é ridículo . «Ao ouvir qualquer coisa ridícula numa reprodução cômica ou numa conversa particular, acha-se graça a isso e não a achamos detestável como se fosse ruim — mas se a nós próprios nos acontecesse ficaríamos envergonhados e embaraçados» . A afectação com que acolhemos uma situação…

  • Platão (Rep. 604b-604e) – dois elementos no homem

    — Mas, quando há no homem impulsos contrários e simultâneos em relação ao mesmo objecto, dizemos que há necessariamente nele dois elementos. [467] — Pois não! — Ora um estará pronto a obedecer à lei, naquilo que ela lhe prescrever? — Como? — A lei diz que o que há de mais belo é conservar…

  • Caeiro (Arete:87-90) – lype

    Para percebermos a diferença radical que há entre o modo como um acontecimento se processa na vida e o modo como esse acontecimento é «visto» pela reprodução imitadora (mimesis), consideremos primeiramente uma situação que nos afecte, deprimindo-nos. Quando passamos por uma situação que é qualificada como sendo deprimente (lype), produz-se uma dependência do desenvolvimento da…

  • Caeiro (Arete:81-84) – pragmata

    […] de que modo é possível ter acesso à verdade e não ao simulacro da excelência (arete)? Qual é o aspecto essencial (eidos) da excelência (arete)? De que forma temos ou não um autêntico acesso ao seu sentido? De que forma as produções artísticas que imitam as situações humanas são «outras» e «derivadas»? Se se…

  • Caeiro (Arete:79-81; 85-86) – tragoidia (tragédia)

    De que forma é que a reprodução imitadora (mimesis) pode distorcer completamente todos os fenômenos afins à «prática humana»? Qual é a relação mimética que temos com o sentido da situação humana (praxis)? Ou, antes, de que forma podemos aceder autenticamente ao sentido de uma determinada situação por que passamos, criando-a ou caindo nela? Esta…

  • Caeiro (Arete:63) – eidos – aspecto

    Vejamos um pouco mais de perto o que Platão pretende dizer. Suponhamos o tampo da mesa a que me encontro sentado. Nós estamos preparados a determiná-lo quanto à sua forma geométrica como rectangular. Podemos enunciar o juízo «o tampo da mesa é rectangular». Aparentemente, estamos a trazer à linguagem aquilo que nos parece ser o…

  • Caeiro (Arete:59-60) – mimesis

    Cada coisa pode ser considerada em três modos de ser: ou como aquilo que cada coisa é na sua natureza , sendo Deus que a produz ; ou como objecto no mundo e que utilizamos — feita por um artesão; ou no modo como o pintor retrata as coisas, apenas num dos seus aspectos, cristalizados…

  • Caeiro (Arete:57-58) – eidos

    Há uma «ideia» que nós fazemos acerca de todas as coisas na sua diversidade, às quais aplicamos o mesmo nome que damos àquela. Uma manifestação (eidos) é a unidade de sentido que nos permite compreender todo um conjunto de coisas na sua diversidade, na medida em que se trata do aspecto característico que cada coisa…

  • Platão: Três técnicas

    Excerto de Plato, Republic, 601c, Loeb Classical Library Socrates: The painter, we say, will paint both reins and a bit. Glaucon: Yes S: But the maker (poiesei) will be the cobbler or the smith. G: Certainly. S: Does the painter, then, know the proper quality of reins and bit? Or does not even the maker,…

  • Platão: Uma imagem da alma humana

    Excerto das páginas 443-445, da tradução portuguesa da Fundação Calouste de “A República” de Platão (588b-589c) — Modelemos em pensamento uma imagem da alma, a fim de o autor daquelas palavras se aperceber do que disse. — Que imagem? [c] — Uma como a daquelas criaturas antigas da mitologia — a Quimera1, Cila2, Cérbero3 —…